Agora, há sementes e animais na Lua

Sonda chinesa levou ovos de bicho-da-seda e batatas para análise em ambiente lunar


04.01.19

A sonda chinesa Chang’e-4 fez um pouso bem-sucedido no chamado lado escuro da Lua – o primeiro já realizado na história. A missão dará fôlego ao ambicioso projeto espacial da China – e fornecerá informações sobre o comportamento de plantas e animais em um ambiente lunar.

Dentro de um pequeno cilindro de alumínio, os pesquisadores enviaram sementes de batata e Arabidopsis thaliana, uma angiosperma de crescimento rápido, além de ovos de bichos-da-seda. De acordo com o plano, as plantas vão produzir oxigênio para os bichos-da-seda, que em troca fornecerão o dióxido de carbono e os nutrientes necessários. “Vamos estudar a respiração das sementes e a realização de fotossíntese na Lua”, disse Xie Gengxin, principal designer do experimento, à agência de notícias estatal Xinhua.

O experimento é liderado pela Chongqing University em parceria com outras 27 universidades chinesas. Além das sementes, o cilindro de alumínio inclui solo, fertilizantes e água. A luz solar será filtrada e enviada para dentro por meio de um tubo, e pequenas câmeras vão monitorar o desenvolvimento dos seres vivos enviados ao espaço. Os resultados serão enviados por meio de um complexo sistema desenvolvido pela China, já que a comunicação com o local em que a sonda pousou é prejudicada pela falta de uma linha de visão direta com a Terra.

A Arabidopsis já foi cultivada no espaço antes, dentro da Estação Internacional. E as batatas podem se tornar uma fonte importante de alimento para viajantes espaciais. “Nosso experimento pode acumular conhecimento necessário para o estabelecimento de uma base lunar”, afirmou Liu Hanlong, vice-presidente da Chongqing University, à Xinhua.

TAGS: China, Lua, Sementes, Sonda