Retrospectiva 2017: veja como foi o evento Futuro Fértil na HSM Expo

HSM, Plant e StartAgro promovem debates sobre agronegócio no maior evento sobre gestão e lideranç

“Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê”

Monteiro Lobato


Edição 7 - 20.12.17

A  semente foi lançada em solo urbano, mas produtivo: o maior evento sobre gestão e liderança da América Latina. Durante três dias, no início de novembro passado, mais de 5 mil pessoas circularam pelos corredores e auditórios da HSM Expo 2017, no Transamérica Expo Center, em São Paulo. Pela primeira vez, puderam parar para debater as questões que envolvem o mais relevante segmento da economia brasileira. Numa iniciativa inédita da HSM Educação Executiva com as plataformas PLANT PROJECT e StartAgro, um espaço exclusivo para os temas do agronegócio foi uma das mais concorridas novidades do evento. Estava, assim, plantado o projeto Futuro Fértil, uma ampla jornada de conteúdo que pretende fomentar a difusão de conhecimento para aperfeiçoar a gestão nas empresas do agro, assim como apresentar as lições que se pode aprender com os modernos cases vindos do campo.

A estreia do Auditório Futuro Fértil demonstrou o grande interesse que o setor agroindustrial desperta entre empreendedores, executivos e gestores, que formam a maior parte do público presente na HSM Expo. A lotação foi regra nos nove painéis montados para o espaço, trazendo para os debates assuntos como Tecnologia, Futuro da Comida, Sucessão Familiar, Sustentabilidade e Imagem do Campo na Cidade. Ao todo, 25 palestrantes – como os presidentes da Embrapa, Maurício Lopes, da John Deere, Paulo Herrmann, da DSM, Mauricio Abade, ou os megaprodutores Aurélio Pavinatto, da SLC, e Walter Horita, do Grupo Horita — se revezaram no palco, trazendo insights relevantes sobre o agronegócio moderno e apontando onde estão as oportunidades para o setor.

Os frutos da inclusão do agro na pauta da Expo começaram a ser colhidos ali mesmo, durante o networking em torno do espaço Futuro Fértil. E não haverá entressafra. O projeto continuará durante todo o ano, oferecendo conteúdos em uma jornada própria dentro da plataforma HSM Experience. E, para 2018, deverá ampliar sua participação, ocupando espaços também na Arena Insights, o principal auditório da Expo, com capacidade para até 4 mil pessoas. “No ano que vem, agro sai da periferia e passa a ser o ponto central desse encontro”, comunicou Luiz Lobão,
diretor da HSM.

Confira a seguir alguns destaques da programação 2017 do Auditório Futuro Fértil.

PAINEL 1
Como a tecnologia pode trazer previsibilidade e eficiência às empresas agrícolas

Eduardo Barros, Head Global de Agribusiness na Accenture
“O grande desafio atualmente no agro não é apenas trabalhar com dados, é saber como analisá-los de uma maneira coerente para tomada de grandes decisões”

Luís Verdi, CCO da SAP
“A tendência é que (no agro) não somente estejamos consumindo tecnologias, mas produzindo no Brasil”

Victor Campanelli, diretor da Agropastoril Paschoal Campanelli (Top Farmer Pecuária/Confinamento)
“A tecnologia na pecuária proporcionou ao produtoruma grande previsibilidade. Os problemas climáticos agora afetam pouco a produção”

Aurélio Pavinato, CEO da SLC
“Nós, como empresas agrícolas, temos de ser os primeiros a inovar para usufruir dos benefícios das novas tecnologias. Em longo prazo, são os consumidores que colherão os benefícios dessa inovação”

 

PAINEL 2
Como os consumidores estão ditando as regras no mercado de alimentos e como isso impacta nas empresas do setor

Álvaro Almeida, Diretor Brasil na GlobeScan
“Ser transparente, indicar a origem e contribuir para a rastreabilidade dos produtos são elementos considerados muito relevantes pelo consumidor para ampliar o nível de confiança nas empresas”

Daniela Coco, Senior Manager de Agribusiness na PwC
“Os millennials têm um senso de propósito maior, buscam a sustentabilidade no consumo dos alimentos. Isso impacta na forma como os alimentos são produzidos”

Antonio Lacerda, vice-presidente da Basf na América do Sul
“A informação e a demografia, em conjunto, podem ser uma arma muito poderosa, mas também destrutiva. É muito fácil hoje destruir reputações”

Mauricio Abade, CEO da DSM
“O paradoxo da comida é o excesso e falta. A taxa de sobrepeso no mundo aumenta gradativamente em diversas partes do globo, enquanto, todos os dias, milhares de pessoas morrem de fome em outras partes do globo”

 

PAINEL 3
AgTech, o Brasil que vai dar certo

Clayton Melo,líder da plataforma StartAgro
“O Brasil tem realmente uma chance de ouro de se inserir como protagonista da face tecnológica do agronegócio”

Fernando Martins, presidente da Agrotools
“Muitos me perguntam por que eu não estou em Miami, por exemplo. Acontece que o agronegócio digital está aqui”

Rodrigo Santos, presidente da Monsanto no Brasil
“No agro você tem a oportunidade de fazer a diferença, de contribuir para uma equação fundamental para o país, que tem impacto para a sociedade”

 

PAINEL 4
Lições de gestão em uma indústria a céu aberto

Paulo Herrmann, presidente da John Deere
“Só tem uma coisa nas mãos do agricultor: o custo. Aí é que precisamos aprofundar a discussão. Como nós podemos nos tornar mais eficientes nos custos, mitigar riscos, sair fora da armadilha que é o clima”

Walter Horita, presidente do Grupo Horita (Top Farmer Algodão)
“Na agricultura, diferentemente de outras atividades, você precisa ter uma margem de manobra mais ampla, justamente por estarmos sujeitos às variações climáticas incontroláveis”

 

PAINEL 5
10 tendências que vão mudar a agricultura

Luis Lobão, diretor da HSM
“É possível enxergar os conceitos do pensamento exponencial nas novas tecnologias usadas no agronegócio
e na indústria de alimentos”

Fernando Bocchi, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento na M. Dias Branco
“No Vale do Silício pudemos ver um futuro que vai prover mais sem desperdício. Eles desafiam o status quo e aceitam riscos como parte de ser empreendedor”

Mauricio Lopes, presidente da Embrapa
“A agricultura e a alimentação vão ter que acompanhar a agenda sustentável. Na Embrapa, estamos seguindo a tendência de uma agricultura sistêmica e integrada, que prioriza elevar produtividade e qualidade com tecnologias de baixo impacto”

 

PAINEL 6
Agro Presente e Futuro: uma troca de experiências entre um jovem empreendedor AgTech e um produtor consagrado

Fábio Rezende Barbosa, superintendente do Grupo NovAmércia
“As pessoas têm mania de dizer que agricultor é uma pessoa conservadora. Se ele fosse conservador, não estava na agricultura. São Pedro, por exemplo, é sócio de uma boa parte do seu negócio”

Mariana Vasconcelos, CEO da Agrosmart
“Se o setor não se comprometer que vai investir em tecnologia, que vai ter um budget de risco, que vai tentar, a gente não vai ter o Brasil e a América Latina criando as próximas tecnologias de agronegócio”

 

PAINEL 7
Gestão para Sustentabilidade no Agronegócio

Fabiana Alves, diretora do Rabobank
“Precisamos criar uma apresentação do Brasil adequada para atrair investidores, direcionar discussões e nos defender dos ataques. Precisamos ser reconhecidos, provar o que já fizemos pela sustentabilidade”

Caio Penido, diretor do Grupo Roncador
“Atualmente há 62% de cobertura florestal nativa com biodiversidade no Brasil. Sofremos influências externas, porque somos uma potência produtiva e ambiental”

 

PAINEL 8
Do nicho à exportação – como quebrar paradigmas e produzir orgânicos em grande escala

Rodrigo Iafelice dos Santos, diretor do Grupo Cantagalo
“O Brasil é um dos maiores produtores de grãos do planeta. Por outro lado, quando citamos a produção de orgânicos, não estamos nem entre os dez primeiros. É necessário reverter esse quadro conscientizando os produtores. Nós possuímos essa capacidade”

Marcelo Marzola, CEO da Holding PPD (Fazenda da Toca)
“Na agricultura não existe um modelo certo a seguir. É preciso ter iniciativa e coragem para seguir em frente nessa área”

Marcela Scavone, gerente de Cadeia de Suprimentos da Mãe Terra
“Quando falamos de escala e crescimento, o ciclo da produção orgânica deve ser organizado com muito cuidado e atenção”

 

PAINEL 9
Agronegócio, a Marca do Brasil | Pesquisa Inédita – A Percepção do Campo na Cidade

Renato Trindade, sócio da Bridge Research
“Estamos em um contexto econômico e político conturbado, no entanto não se observa um pessimismo das pessoas que estão nas cidades em relação ao Agro”

Arnaldo Jardim, Secretário da Agricultura do Estado de SP
“Precisamos deixar de falar pro agro e o Agro falar pra sociedade, se não vai ficar a imagem de que são ruralistas querendo privilégios”

João Hilário da Silva Jr., sócio da JH/B2F
“Precisamos encontrar quem poderia ser o CEO do agro para em nível nacional fazer valer o espaço que o Agronegócio merece para ser reconhecido”

Luis Lobão, diretor da HSM
“Acreditamos em transformar o país pela educação, e nisso a HSM pode trazer conhecimento em gestão para as competências do agronegócio”

Luiz Fernando Sá, diretor editorial da Plant Project
“Há um desequilíbrio em meio às críticas ao Agro, mas mesmo assim a percepção da cidade em relação ao campo é bastante positiva. Há um campo fértil para que o Agro se comunique melhor com a cidade, se faça compreender”