Caminhos do Alfredo: Nova rota enoturística do Sul

Coluna TERROIR - Por Irineu Guarnier Filho


29.04.22

Irineu Guarnier Filho é jornalista especializado em agronegócio, cobrindo este setor há três décadas. Metade deste período foi repórter especial, apresentador e colunista dos veículos do Grupo RBS, no Rio Grande do Sul. É Sommelier Internacional pela Fisar italiana, recebeu o Troféu Vitis, da Associação Brasileira de Enologia (ABE), atua como jurado em concursos internacionais de vinhos e edita o blog Cave Guarnier. Ocupa o cargo de Chefe de Gabinete na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, prestando consultoria sobre agronegócio.

O enoturismo na Serra Gaúcha se expande já há algum tempo para muito além de recantos tradicionalmente conhecidos, como o Vale dos Vinhedos e os Caminhos de Pedra, em Bento Gonçalves, ou a Estrada do Sabor, em Garibaldi. A Rota das Cantinas Históricas e os Encantos da Eulália, em Bento, ou o Passo do Vinho, em Nova Pádua e Flores da Cunha, são interessantes roteiros enoturísticos alternativos para quem já conhece os principais. Mas, outras localidades estão se organizando para receber melhor o contingente de mais de 1 milhão de turistas que visita a região por ano – e novas atrações vão surgindo.

Desde janeiro deste ano, o pequeno município de Flores da Cunha, a pouco mais de 130 quilômetros de Porto Alegre, atrai visitantes para uma nova rota turística: Caminhos do Alfredo-Enoturismo Rural. Com 140 anos de história, a localidade de Travessão Alfredo Chaves, no interior do município, conta com 11 empreendimentos, atendidos pelas famílias de seus proprietários.

Em um raio de aproximadamente cinco quilômetros, há de tudo um pouco para bem recepcionar os visitantes: vinícolas, paradas gastronômicas, trilhas ecológicas e a bela paisagem formada pelos vinhedos que ondulam pelos montes da região. O visitante também pode conferir pontos como a Cascata Bordin, com cerca de 100 metros de altura; o Campo Santo dos Imigrantes, primeiro patrimônio histórico cultural tombado de Flores da Cunha; a Capela São João Batista, construída em 1924; e o Mirante Gelain, instalado a 420 metros acima do vale do Rio das Antas. O visual deste ponto é belíssimo.

“Nós nascemos com o objetivo de ser uma rota diferente. A ideia é que as pessoas vivenciem uma experiência que combine enoturismo, gastronomia e belezas naturais. É um passeio ideal para casais, pessoas maduras, famílias com crianças, pessoas que desejam curtir um momento de calmaria”, resume o enólogo Edegar Scortegagna, presidente da Rota Caminhos do Alfredo – Enoturismo Rural.

“Eu e meus primos somos os mais velhos, na faixa dos 40 anos. O restante do pessoal é mais jovem. Isso deu muito gás para que desenvolvêssemos a rota. É claro que tem toda uma história por trás de cada empreendimento, tem o apoio dos pais dessa gurizada, que estão apostando na ideia, mas o importante é que todos permaneceram nas suas raízes, não houve êxodo. Estão trabalhando e investindo ali, valorizando a terra e os produtos na sua origem”, acrescenta Scortegagna.

Flores da Cunha ostenta o título de maior produtor de uvas e vinhos do Brasil (a safra 2017/2018 atingiu 101 milhões de quilos de uva e 120 milhões de litros de vinho), conta com mais de 500 leitos na rede hoteleira e projeta expansão para os próximos anos. A cidade é famosa pela sua Escola de Gastronomia da UCS (Universidade de Caxias do Sul) e pelos seus vinhos com Indicação Geográfica (Altos Montes). Conheci alguns estabelecimentos dos Caminhos do Alfredo antes da inauguração oficial da rota e gostei da autenticidade e simplicidade do lugar. Um tipo de turismo cada vez mais raro em tempos de turismo de massa.

Os empreendimentos da rota Caminhos do Alfredo

1 – Caldart Graspa Artesanal
Graspa e cultura local são os diferenciais da Sociedade de Bebidas Caldart. As visitações incluem degustação de graspa e histórias do cotidiano da colônia.
>Atendimento: terça a sábado, das 9h às 17h; domingos somente com agendamento.

2 – Paradouro do Suco
Degustação de suco e harmonização com tábuas de frios e de doces. Há música ao vivo; passeio de caminhão personalizado; elevador com vista panorâmica para os vinhedos e para mais de cinco cidades; e mirante com varejo dos produtos da Vinícola Malacarne.
>Visitação: sábados e domingos, das 13h30 às 19h00; durante a semana, mediante reserva.

3 – Vinhos Fabian
Fundada em 1985, a vinícola familiar localiza-se entre colinas de 780m de altitude, que proporcionam a amplitude térmica necessária para a qualidade do vinho.
>Visitação guiada: segunda a sexta, às 10h, 14h e 16h; aos domingos, às 15h30, sob agendamento.
>Visita com degustação: de segunda a sexta, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 18h; sábados, das 9h às 12h; feriados, sob agendamento.

4 – Terrasul Vinhos Finos
Localizada no coração do Travessão Alfredo Chaves, em Flores da Cunha. A repaginação do espaço buscou preservar as características originais de antigos estabelecimentos locais, e assim acomodar a tecnologia necessária para a melhoria da produção de vinhos.
>Visitações e degustações: mediante agendamento.

5 – Vinhos Viapiana
Destaca-se pela produção de vinhos e espumantes diferenciados. Viognier, Nebbiolo, Pinot Noir, vinho laranja, espumante tinto e espumantes com passagem em carvalho são alguns dos produtos que caracterizam a busca pelo novo. Conta ainda com o Gazoldo Trattoria, restaurante com menus que mudam a cada temporada.
>Degustação no Wine Bar: segunda a sexta, das 9h às 17h; sábados, das 10h às 16h; domingos e feriados, das 10h às 14h. É possível pedir tábua de frios para acompanhar.
>Visita com degustação: segunda a sábado, às 10h30 e às 15h; domingos e feriados, às 10h30.
>Horários do restaurante: almoços de quinta a domingo, das 12h às 14h. Jantares exclusivos para grupos acima de 15 pessoas, mediante reserva.

6 – Vinícola Bebber
A proposta da Bebber é fazer vinhos que caiam no gosto do consumidor brasileiro: jovens, leves e elegantes. A vinícola disponibiliza visitas com degustações, além de um varejo.
>Loja: segunda a domingo, das 10h às 17h.
>Wine Bar: sexta a domingo, das 11h às 17h.
>Degustação orientada: segunda a sexta, às 10h30, 14h e 16h; sábados e domingos, às 10h30, 11h30, 13h30 e 15h.

7 – Vinícola Scortese
Criada em 2016, a Vinícola Scortese nasceu da necessidade dos seus sócios de processar a própria uva cultivada, transformando-a em uma linha de vinhos de mesa, finos, espumantes e suco de uva tinto e branco.
>Atendimento comercial: segunda a sexta, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h30.

8 – Gran Nero Presunto Cru
Primeira empresa de presunto cru do sul do Brasil. O produto é o resultado de quase uma década de pesquisas do enólogo Edegar Scortegagna, que toca o empreendimento com o sócio Elton Antunes. O presunto cru Gran Nero une a qualidade da matéria prima nacional com um sofisticado método de fabricação europeu.
>Visitações: sob agendamento.

9 – Sucos Della Famiglia
Agroindústria familiar que surgiu em 2017, com o intuito de produzir um suco de uva tinto e branco saudável e diferenciado, 100% integral, para as crianças nas escolas e demais consumidores. São oferecidas visitas para conhecer o processo de produção dos sucos Della Famiglia.
>Visitações: sob agendamento.

10 – Cantina Gelain
Um sonho realizado de Armindo Gelain, que depois de muitos anos de trabalho, teve sua primeira vindima em 1990. Com uma vista privilegiada, o empreendimento viu no turismo uma oportunidade de investir e receber o turista com visitações guiadas, espaço ao ar livre para descanso e restaurante para eventos para até 75 pessoas.
>Visitações e eventos: sob agendamento.
>Atendimento na vinícola e varejo: segunda a sexta, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h30.
>Wine Bar: sábados e domingos, das 14h às 18h.

11 – Colônia Família Bordin
Propriedade de sete gerações da família Bordin, com trilhas ecológicas em meio à mata nativa da região. É possível desfrutar o melhor da natureza, em paz e harmonia, apreciando vistas exclusivas da Cascata Bordin e mirantes para o vale do Rio das Antas e os vinhedos da propriedade.
>Atendimento: segunda a domingo, das 8h às 18h.
>Trilha: necessário agendamento.

TAGS: Enoturismo, Serra Gaúcha, Vale dos Vinhedos, Vinhos