50 Anos de CTC

Coluna A REVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS - Por Marco Ripoli


08.11.19

Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D. é Engenheiro Agrônomo e Mestre em Máquinas Agrícolas pela ESALQ-USP e Doutor em Energia na Agricultura pela UNESP, executivo, disruptor, multiempreendedor, inovador e mentor. Proprietário da BIOENERGY Consultoria, investidor em empresas e fundador do Programa transformacional “O Agro Não Para”.  Acesse www.marcoripoli.com

A cultura da cana-de-açúcar é um universo muito mais complexo do que parece aos olhos daqueles que não a conhecem com a devida profundidade.  Para muitos ainda vista como apenas um elemento do sistema de produção, a nobre gramínea é responsável pela reação em cadeia de inúmeros desenvolvimentos tecnológicos e inovações, começando desde o desenvolvimento (ou gerenciamento, ou manejo) genético da planta.

É aí que entra o mais importante centro de pesquisa canavieiro brasileiro, reconhecido mundialmente: o Centro de Tecnologia Canavieira, conhecido por todos como o “nosso” CTC — pelo era assim que o professor titular da ESALQ Tomaz Caetano Cannavam Ripoli se referia.  Muitas outras tecnologias agrícolas e industriais para o plantio, tratos culturais, colheita e processamento também fazem parte de suas pesquisas e do seu DNA.

No final da década de 1960, em Piracicaba, cidade que congrega a segunda maior região canavieira do País, surgiu a Coopersucar, apoiada pela certeza de que a inovação tecnológica se caracterizava vital para a competitividade e longevidade da indústria sucroalcooleira.  Após uma significativa restruturação, ganhou o nome de CTC.

Para poder absorver o que existe de mais avançado em biotecnologia e fitogenética, o CTC construiu um laboratório na cidade de Saint Louis (Missouri, EUA) chamado CTC Genomics.  A interação com outras instituições de pesquisa e a nova estrutura do laboratório instaladas próximas ao Donald Danforth Plant Science Center, ajudaram para o avanço do conhecimento sobre tecnologias disruptivas associadas à genética da cana-de-açúcar (edição genômica e desenvolvimento da semente sintética).

Isso exigiu da instituição um preparo e visão de negócios que até pouco tempo atrás não tinha desenvolvido.  O CTC iria entrar em um mercado global de gigantes da biotecnologia.  Assim ergueu-se a barra para o trabalho científico, que não era mais meramente direcionado pelo desejo e interesse acadêmico, mas sim promover o aumento da produtividade dos canaviais de seus associados.

Hoje novas fontes de receita possibilitam maiores investimentos em pesquisas dedicadas a mecanização do processo produtivo, sementes, ciências, regulatórias, biotecnologia industrial e agrícola, entomologia, cogeração etc..  No caso específico da colheita, as máquinas existentes hoje já são capazes colher as canas de “três dígitos”, como são conhecidas, porém cada vez mais a produtividade do canavial vai exigir das fabricantes atenção.

Dando mais um passo à frente, quando se fala de cana transgênica, muitos ainda se assustam!  Infelizmente ou felizmente isso já é uma realidade…  Infelizmente porque muitos são contra “GMOs” e é preciso foco e investimentos no desenvolvimento de uma comunicação pública adequada para informar sociedade e governo de sua importância e benefícios.  E, felizmente, porque o setor que já se considerava a mais de 20 anos atrasado em relação ao setor de grãos deu sinal de que o gap tecnológico vem diminuindo substancialmente ano a ano.

Foi em 2017 que o CTC liberou sua primeira variedade transgênica (CTC20BT), a qual recebeu um gene específico de proteção a uma das principais pragas existente hoje no país, a broca-da-cana.  Ao receber este gene, cada planta passa a produzir uma determinada substância que, ao ser ingerida pela broca, impede que ela sobreviva e se multiplique.  Foi tamanho o sucesso que fora desenvolvida uma nova variedade (CTC9001BT) mais adequada as novas fronteiras agrícolas brasileiras.

Fica aqui minha homenagem, reconhecimento, agradecimento e parabéns ao CTC, principalmente na figura de seus colaboradores, pelos 50 anos!

O Agro não para!

Clique aqui para conferir todas as #ColunasPlant.

TAGS: Cana, CTC, Indústria Sucroenergética