Metrópole agrícola

Como a pressão por sustentabilidade ambiental, econômica e social nutre a agricultura em SP


Edição 20 - 18.06.20

Por Romualdo Venâncio

Toda quinta-feira um grupo de moradores de um mesmo prédio no Mandaqui, bairro da zona norte da capital paulista, recebe uma lista de ofertas com verduras, legumes e frutas e o preço de cada item. A mensagem encaminhada via WhatsApp vai ainda com uma planilha de Excel, em que cada uma dessas pessoas anota o que quer e em qual quantidade. O pedido é preparado na manhã do dia seguinte, no bairro de São Mateus, na zona leste da cidade, a cerca de 25 quilômetros de distância, e enviado por meio de serviço de transporte por aplicativo. Todos esses alimentos são cultivados nas hortas urbanas da organização não governamental Cidades Sem Fome, um dos diversos projetos agrícolas desenvolvidos na maior metrópole da América do Sul, seja em áreas mais afastadas, seja em pontos nobres ou turísticos. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho da Prefeitura de São Paulo, quase 30% do território da cidade é composto por regiões rurais e de agricultura urbana, ou seja, algo próximo de 450 quilômetros quadrados, ou, como se diz no campo, 45 mil hectares.

A Cidades Sem Fome surgiu há cerca de 14 anos, com o intuito de aproveitar espaços urbanos para produzir alimentos e, assim, gerar oportunidade de trabalho, renda e novas possibilidades de negócios às pessoas que mais necessitam. “Quando eu atuava na iniciativa privada, fui para a Alemanha fazer uma especialização e vi que lá cada metro quadrado é aproveitado”, conta Hans Dieter Temp, fundador e coordenador de projetos da ONG. “Mesmo não tendo um problema de segurança alimentar, eles usam as áreas para cultivar alimentos, flores ou até para socialização, para as pessoas passearem e aproveitarem.” Não foi difícil imaginar o impacto que aquele modelo teria em uma cidade como São Paulo, com tantos espaços urbanos e prédios disponíveis, tantas pessoas necessitando de trabalho e um mercado consumidor gigante – o IBGE estima que a população paulistana passe de 12,2 milhões de habitantes.

O projeto conta hoje com 28 hortas urbanas, a maior parte instalada em pequenos espaços e já avançando de maneira mais independente, apenas com um eventual atendimento técnico. A principal unidade está em um terreno de 8,5 mil metros quadrados pertencente à Enel, a companhia distribuidora de energia elétrica que atende a cidade. Segundo Hans, toda a área é aproveitada, e isso representa um ganho coletivo bastante significativo. Do ponto de vista do agronegócio, a diversidade de produtos é um destaque: ali são cultivados, em sistema de agricultura orgânica, diferentes tipos de alface, agrião, couve, rúcula, repolho, manjericão, salsa, tomate, cenoura, entre tantos outros itens.

Em relação à sustentabilidade, o uso da água é um grande diferencial. A irrigação de todos os canteiros, feita por cintas de gotejamento, é abastecida quase que totalmente com água de chuva, captada e armazenada em cisternas. A capacidade total de estoque é de 60 mil litros. “Somos quase autossuficientes, apenas quando passa muito tempo sem chover e as cisternas não enchem é que usamos água da Sabesp [Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo], mas a ideia é não precisar usar”, diz Hans. O objetivo é otimizar ainda mais o aproveitamento do espaço e dos recursos. “Queremos aproveitar também a água dos telhados vizinhos, temos um projeto de plantio vertical para os muros e queremos desenvolver outro de abelhas sem ferrão”, afirma o fundador da Cidades Sem fome.

Quem ganha com isso

A liberação do terreno da Enel, ou de qualquer outra empresa, para a ONG é feita por meio de um contrato de comodato, após a apresentação de uma proposta convincente. É preciso mostrar claramente as vantagens e a segurança da inserção de uma nova atividade naquele espaço, pois há regras bem específicas para se trabalhar naquele lugar. Hans comenta que um fator bastante atrativo é a redução, ou até a eliminação, do custo de manutenção do local – geralmente altíssimo. “Essas empresas sofrem grande pressão de invasões e construções irregulares no terreno. Ainda mais diante de crises econômicas. Quando a área está ocupada e há outra atividade no lugar, esse risco diminui”, afirma.

Projetos como o Cidades Sem Fome ainda beneficiam a saúde pública. Hans conta que as linhas de transmissão instaladas no terreno chegaram antes das casas que estão ao redor, e com a construção dessas residências o lugar acabou sendo usado indevidamente como depósito de entulho. Sem a manutenção da área, o mato também toma conta e favorece a infestação por pragas, inclusive o mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue e chikungunya e do Zika vírus. “Quando chegamos, o mato alcançava 2 metros de altura e nem me lembro quantas caçambas de entulho tiramos daqui. A implantação das hortas acaba sendo uma proteção para quem mora ao redor. É como se fizéssemos uma zeladoria do terreno”, explica Hans. “Torna-se um processo de revitalização, o que era um passivo para a comunidade e para o município vira um lugar de socialização.”

Para quem trabalha nessas hortas, a remuneração é o principal benefício, mas não o único. Há o aprendizado de uma nova atividade profissional, ou o aprimoramento, pois muita gente migrou de áreas agrícolas em outras regiões do País. Além da melhoria da autoestima e do alimento que levam para casa. Por se tratar de um projeto maior, fundamentado em uma gestão profissional, a ONG tem melhores condições de abrir canais de comercialização, o que é sempre um obstáculo para as hortas urbanas ou comunitárias, criando oportunidades para parcerias com pequenos produtores das proximidades. A ideia de Hans é mesmo estabelecer um forte hub agrícola no bairro. “Queremos transformar São Mateus em uma referência de agricultura urbana”, afirma. Essa visão e a estruturação empresarial, somadas à escala de produção mais ampla, é que permitem à organização fechar contratos de fornecimento também com grandes companhias, a exemplo da Sodexo.

O grande desafio é conseguir recursos financeiros para manter a estrutura, pois o faturamento com a comercialização dos produtos ainda não é suficiente para cobrir o custo mensal dessa estrutura principal, próximo de R$ 25 mil. “Nossa meta é chegar à autossuficiência financeira, pagando todos os custos. Ainda não é assim porque temos algumas tecnologias mais caras”, explica Hans. A trajetória para a conquista de patrocinadores é semelhante à da liberação para o uso do terreno: é preciso apresentar uma proposta comercial vantajosa, com todos os índices favoráveis, mostrar quantas pessoas serão beneficiadas e como. “Antes de começar o projeto, a gente busca recursos nos mercados interno e externo para bancar os custos por pelo menos um ano”, diz o gestor. Entre os argumentos para atrair investidores está o retorno em relação à imagem da empresa, sobretudo pelo espaço de mídia espontânea que o projeto tem conquistado. “O Cidades Sem Fome é hoje uma estratégia de marketing muito barata para quem nos apoia. Temos aparecido em muitos veículos de comunicação de alcance nacional. E ainda que as reportagens não citem os nomes dos apoiadores, fazemos depois nossa divulgação desse material com os devidos créditos.”

Hans explica que seu objetivo maior é que o modelo de negócio da Cidades Sem Fome se torne uma referência, um exemplo que possa ser replicado não só em São Paulo, mas também por todo o Brasil, e favoreça milhares de pessoas. “Mas, assim como acontece no agronegócio profissional, é preciso contar com políticas públicas de cidades, estados e da própria União, com linhas de financiamento para maquinário, tecnologia e investimentos e estrutura de apoio à comercialização”, analisa.

Horta no telhado

Outra iniciativa que se tornou referência foi implantada no Shopping Eldorado, localizado no bairro de Pinheiros, zona oeste da cidade. O Projeto Telhado Verde começou em 2012, em uma área de 10 metros quadrados, e hoje se espalha pelos 6 mil metros quadrados de todo o telhado, onde são cultivadas diferentes espécies de verduras e legumes, como alface, berinjela, abóbora e tomate, além de flores, e conta com uma usina de compostagem. O investimento para a instalação desse projeto, como está hoje, está entre R$ 200 mil e R$ 250 mil, sendo que a maior parte desses recursos foi mesmo para a composteira. “Não é um investimento gigante, pois o retorno do ambientalmente correto é muito grande, transformamos lixo em composto para fazer a horta”, diz Sérgio Nagai, superintendente do Shopping Eldorado. “E o maior ganho é a mudança de cultura dos nossos funcionários. É comum as pessoas acharem que após jogarem o lixo fora o problema não é mais delas.”

O passo inicial do Telhado Verde foi exatamente resolver um problema de transporte de lixo e falta de reciclagem dos resíduos orgânicos. A meta já era conseguir zerar a emissão de lixo orgânico do shopping. Segundo Sérgio, apenas na praça de alimentação é gerada uma tonelada de resíduos diariamente. “Quando soma tudo, principalmente os restos dos próprios restaurantes, chegamos a umas 60 toneladas por mês”, acrescenta. Com a infraestrutura atual, é possível processar cerca de 2 toneladas desse lixo por dia, material que em outras condições acabaria indo para um aterro sanitário e seria misturado com todo o resto. Claro, isso tudo antes da situação de pandemia causada pelo coronavírus.

O princípio foi bem desafiador. A ideia de reciclar todo o lixo não surtiu o efeito desejado, pois os materiais ainda eram misturados. A triagem realizada pelo pessoal que atuava na praça de alimentação começou a fazer toda a diferença, pois era separado um rico material orgânico. Mais ajustes foram necessários na compostagem, que a princípio utilizava enzimas de aceleração do processo. “Muita coisa deu errado por conta do mau cheiro, passou a juntar insetos. Mas fomos aprendendo no caminho, até que instalamos a usina de compostagem. O equipamento foi construído a partir de uma secadora de fumo que transformamos e adaptamos”, conta Sérgio.

Também foi desafiador convencer os funcionários dos benefícios de toda essa mudança. A princípio, os colaboradores viam tudo aquilo apenas como mais trabalho, tarefas extras e que não ganhavam nada com aquilo, não geravam resultados para eles. A virada de chave aconteceu quando chegou o momento da primeira colheita. “Eu os convidei para colherem os alimentos e levarem para suas casas. A produção era para eles. Foi aí que entenderam melhor o valor do projeto, e hoje participam, dão ideias, são entrevistados pelos veículos de imprensa. Há inclusive, por parte dessas equipes, uma percepção diferente do comportamento das pessoas que frequentam o shopping”, comenta o superintendente, que espera ver esse conceito se multiplicar.

O Telhado Verde é o primeiro projeto do Brasil com esse perfil, implementado em um shopping center. “E arrisco a dizer que foi o primeiro no mundo, pois nunca encontrei informações de algo assim antes do nosso”, diz Sérgio, orgulhoso. “Recebemos visitas de muitas pessoas que desejam conhecer para replicar. O objetivo é esse mesmo, queremos que seja multiplicado. Até concorrentes já replicaram nosso modelo, embora não deem o crédito da ideia”, acrescenta, em tom de brincadeira. Esse conceito de compartilhar as informações levou o shopping a criar um serviço de visitas guiadas, que é muito procurado por estudantes de diversos graus de ensino e até já se tornou tese de mestrado. Por ano, o público chega a 1,5 mil pessoas.

Tudo isso faz parte de um projeto mais amplo relacionado à sustentabilidade, ambiental e social. O shopping conta com um processo de reciclagem de água de esgoto, que passa por um sistema de tratamento de efluentes e recebe um corante, para evitar o risco de confundir com água potável. A água reciclada é usada em áreas como as torres de ar condicionado e os banheiros. A parceria com uma cooperativa de catadores contribui para reduzir o volume de material que pode ser reciclado e todos os custos relacionados, direta ou indiretamente. “Temos aí cerca de 15 pessoas que formam sua renda a partir do resíduo reciclável que retiram do shopping e levam para a cooperativa”, afirma Sérgio, que tem compartilhado toda essa experiência por meio de palestras em universidades e empresas. “Não faz sentido termos um projeto como esse e guardá-lo para nós.”

Multiplicação de ideias

Em novembro de 2019, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de São Paulo divulgou a consulta pública para o lançamento do 1º Plano Rural Agroecológico Paulistano. A iniciativa foi feita por meio do Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário, um grupo que conta com 22 membros titulares e 21 suplentes, representantes do poder público e da sociedade civil. O objetivo é promover o desenvolvimento econômico da zona rural da cidade e das áreas urbanas em que há atividade agroecológica, o que vai fortalecer a agricultura e a criação de mais áreas verdes na capital. Esse plano foi elaborado com base em 17 eixos temáticos, que passam por saneamento básico, turismo, cultura, segurança e fiscalização, saúde e proteção, conservação ambiental, ensino e educação, agricultura urbana, geração de renda, regularização, entre outros, e apresenta proposta de ações a serem aplicadas pelo poder público nos próximos oito anos.

Esse Plano Rural poderá, inclusive, revitalizar ações que a prefeitura paulistana já vem realizando com o intuito de multiplicar as possibilidades de evolução da agricultura urbana. É o caso da reformulação do Programa Hortas e Viveiros na Comunidade, que faz parte do Programa Operação Trabalho (POT), uma política pública de reinserção de pessoas em estado de vulnerabilidade econômica no mercado de trabalho nessa área. A troca de informações e a qualificação das pessoas têm sido essencial para tal movimento. Cerca de 300 pessoas já foram beneficiadas pelo Hortas e Viveiros na Comunidade, por meio de apoio e capacitação para que integrem com sucesso projetos de agricultura urbana, conquistando trabalho e renda, e contribuindo para a recuperação de espaços verdes.

TAGS: Cidades Sem Fome, Hortas urbanas, Programa Operação Trabalho, São Paulo