Agro brasileiro vai a Israel por novas tecnologias e negócios

Coluna A REVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS - Por Marco Ripoli


01.06.20

Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D. é Engenheiro Agrônomo e Mestre em Máquinas Agrícolas pela ESALQ-USP e Doutor em Energia na Agricultura pela UNESP, executivo, disruptor, multiempreendedor, inovador e mentor. Proprietário da BIOENERGY Consultoria e investidor em empresas. Acesse www.marcoripoli.com

Está confirmada para setembro a 3ª Missão Agtech Israel, oportunidade para todos os interessados entenderem os motivos que fazem de Israel uma potência mundial em pesquisas agrícolas. O roteiro inclui visitas a instituições de pesquisa, empresas, fundos de investimento, startups e incubadores, além de visitas ao campo. O projeto é voltado para empresários, produtores rurais, investidores, consultores, pesquisadores e docentes. As inscrições para participar ficam abertas até julho, com 15 vagas.

O responsável pela missão, o engenheiro agrônomo e PhD Marco Ripoli, explica que o propósito é trocar experiências e conhecer de perto o agronegócio israelense, cuja marca é ter se desenvolvido pela necessidade.

“Israel é o melhor exemplo de que a tecnologia e a inovação são fundamentais para superar desafios. Hoje, o país é líder em inovações agrícolas e possui fortes ecossistemas de Agtechs e Foodtechs, mesmo com mais da metade do país sendo de solos desérticos. Isto é resultado de uma cadeia muito bem desenvolvida para ser produtiva usando poucos recursos naturais” – explica Ripoli.

Com cerca de 20% das terras agricultáveis, de um total de dois milhões de hectares (22 mil km², extensão comparável ao estado de Sergipe), o país do Oriente Médio é praticamente autossuficiente em frutas, vegetais, leite, ovos e carne de frango.

Oportunidade de negócios

As missões anteriores, realizadas em setembro de 2019 e fevereiro de 2020, demonstraram que a experiência internacional promove resultados práticos no campo e gera novos negócios.

“Israel é o país que, proporcionalmente, mais investe em Pesquisa e Desenvolvimento (5% do PIB), além de ter instituições científicas de ponta e abrigar mais de sete mil startups. Para o produtor brasileiro, a missão significa ter contato com todo este universo de empreendedorismo e inovação, o que pode gerar aprendizagens para aplicar no campo, investimentos ou parcerias com startups” – diz Ripoli.

O empresário de Lucas do Rio Verde (MT), Marino Franz, esteve na primeira missão e conta que se impressionou ao ver como a tecnologia, muitas vezes criada na área militar, conseguiu ser transferida para a iniciativa privada com eficácia.

“Você vê como um pessoal que se reuniu nos anos 1950 no meio do deserto, pessoas que tinham em comum só o judaísmo, e conseguiram se estabelecer de forma comunitária, vencer os desafios e criar a maravilha que é a agricultura e toda parte tecnológica de Israel” – diz Marino Franz.

Com a vida dedicada ao agro, Franz é proprietário da FS Bioenergia e presidente de Fundação de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Rio Verde. Ele destaca a maneira que os israelenses atuam: com conhecimento científico e tecnológico, mas sempre em cima de resultados.

“É um exemplo para o mundo e para nós: é possível fazer por meio do trabalho, da pesquisa e da dedicação” – finaliza o empresário e produtor rural.

O Agro não para!

___________________________

Serviço

A 3ª Missão AgTech Israel será de 4 a 12 de setembro de 2020 e conta com apoio estratégico do Consulado de Israel em São Paulo, ABAG, ORPLANA e UNICA.

Para detalhes sobre a inscrição e roteiro, acesse o link AgrNãPara.

Mais informações: Marco Ripoli – (19) 99620-3747 / mr@marcoripoli.com
Assessoria de imprensa: Romulo Orlandini – (11) 98300-6270

TAGS: AgTech, Food tech, Israel, Missão Agtech Israel