Agrotrends: Pecuária 4.0 vai digitalizar os rebanhos

Brasil deve despontar como grande campo de testes de soluções disruptivas


Edição 18 - 02.03.20

Por André Sollitto

Os anos 2010 marcaram o início da era digital na agricultura. As ferramentas de base tecnológica começaram a mudar a forma com que os agricultores tomam decisões, entregando a eles muito mais informações em tempo real e permitindo que eles sejam mais assertivos. Na pecuária, a transformação da gestão está alguns passos atrás, mas a década de 2020 se inicia apontando para a digitalização da atividade. Se hoje a maior parte das agtechs em atividade desenvolve soluções para lavouras, muitas startups com foco no pecuarista já chamam a atenção do mercado.

Com um dos maiores rebanhos comerciais do mundo, o Brasil deve despontar como o grande campo de testes para novas tecnologias – e, por que não, o berçário de empresas com potencial de liderar a chamada Pecuária 4.0. Um passo importante foi a inauguração do Animals Hub, em Piracicaba (SP). Uma iniciativa da startup @Tech, o espaço foi planejado para que empresas com pensamento semelhante criem suas soluções em um ambiente de inovação aberta.

Muitas das ferramentas disponíveis hoje para o produtor oferecem dados para que ele saiba qual o melhor momento de agir. Existe até um termo, Pecuária de Decisão, que vem sendo usado de forma complementar ao já conhecido Pecuária de Precisão. Indica um embasamento maior do pecuarista, que depende menos apenas de seu instinto e experiência, em temas como manejo, nutrição e saúde animal. O impacto no aumento da produtividade e lucratividade já é sentido. Outro ponto fundamental para o setor é o da rastreabilidade dos rebanhos, o que tem aberto oportunidades para a utilização de tecnologias como blockchain. Empresas como a Nestlé, por exemplo, já executam programas pilotos para acompanhar cada etapa do trabalho de seus fornecedores, oferecer informações que permitam a eles incrementarem sua produção e garantir aos consumidores a procedência da matéria matéria-prima usada em seus alimentos. No Brasil, esse trabalho é feito em parceria com a startup BovControl, uma das pioneiras na Pecuária 4.0 por aqui.

Startups mais jovens também têm olhado para outros gargalos da produção, do transporte do leite na temperatura adequada a doenças graves que afetam o rebanho. No desafio Ideas for Milk, por exemplo, a agtech vencedora foi a Volutech, responsável por uma ferramenta de medição do volume de leite em tanques. São soluções que estão chegando ao mercado agora e devem fazer barulho nos próximos anos.

Confira as outras tendências identificadas pela nossa reportagem:

Agbiotech para mudar o mundo

Produção em escala, cuidados individuais

Até onde vão as proteínas alternativas

Uma década para as agfintechs

Um setor com menos intermediários

Cannabis e o medo de uma viagem errada

Cultivo high tech: a segunda geração das fazendas urbanas

O consumidor como protagonista

Pulses: vida nova para os antigos grãos

Índia, a próxima fronteira

Agricultura regenerativa

As proteínas que vêm da água

A tecnologia promove o bem-estar animal

TAGS: @Tech, Animals Hub, BovControl, Ideas for Milk, Volutech