Por que a tecnologia pode tornar os animais obsoletos

O que leva um investidor a apostar em startups de proteínas alternativas?


Edição 17 - 29.11.19

Por Rob Leclerc*

Carros substituíram cavalos, petróleo substituiu baleias, tratores substituíram bois, telecomunicações substituíram pombos-correio, fermentação substituiu vacas e porcos para a produção de insulina. E, apesar de suas muitas deficiências, o plástico continua a ganhar participação de mercado no couro. Onde quer que olhemos, os humanos construíram constantemente tecnologias que superam seus predecessores animais. A comida pode ser a próxima.

Em todo o mundo, os empresários estão reinventando a forma como fabricamos produtos tradicionalmente derivados de animais. Aplicando as mais recentes tecnologias da biotecnologia, engenharia de tecidos, inteligência artificial e ciência de alimentos, os empreendedores estão tentando criar novos produtos sem animais, que são mais baratos, mais saudáveis, mais saborosos e mais sustentáveis. Mesmo se obtiverem sucesso moderado, terão a oportunidade de capturar uma parte significativa do mercado de proteínas animais, estimado em 1,5 trilhão de dólares [1]. As oportunidades não são muito maiores que isso. Como capitalistas de risco, isso é difícil de ignorar.

*Rob Leclerc é sócio-fundador da plataforma AgFunder, referência global em investimento AgTech. Artigo publicado originalmente no site AgFunder News

O mundo está prestes a mudar muito rapidamente. Como capitalistas de risco, nosso trabalho é identificar tecnologias que serão adotadas pelo futuro e depois apostar nesse futuro.

Recentemente anunciamos o próximo fundo alternativo de proteínas da AgFunder. Esse fundo investirá em alternativas de proteína animal, incluindo alternativas baseadas em plantas, agricultura celular e tecnologias de picaretas e pás necessárias para habilitar esse setor emergente. O principal insight que impulsionou nossa tese de investimento é que, há milhares de anos, os animais são empregados como tecnologia para fornecer produtos e serviços valiosos, incluindo transporte, comunicações, energia, mão de obra, roupas, remédios e, claro, alimentos. Mas a história mostrou que os animais não são necessariamente os melhores meios para esses produtos e serviços finais. O mercado exige, mas mostra pouca fidelidade ao seu modo de produção. E, assim, quando novas tecnologias são melhores e mais baratas, os mercados tendem a mudar. E mudam rápido. Assim como o frango substituiu a carne bovina como uma proteína básica, por ser mais barata e percebida como uma alternativa mais saudável, grandes áreas da indústria de carnes de commodities correm o mesmo risco de substituição. A história da tecnologia nos ensina que esse resultado raramente é evitável.

Prevemos que muitos consumidores mudem para produtos alimentares sem animais se esses produtos começarem a atender ou exceder suas alternativas baseadas em animais em áreas-chave como custo, sabor, funcionalidade, conveniência e saúde. Considere um consumidor mais consciente, preocupado com o impacto da agricultura animal em nosso meio ambiente e sustentabilidade, e essa mudança poderá ocorrer ainda mais rapidamente.

Por que agora?

Os produtos à base de plantas já existem há muito tempo, então por que isso está acontecendo agora? Acreditamos que remonta a quatro tendências principais. O primeiro é o surgimento das mídias sociais, que levaram à formação de novas tribos e tendências alimentares, incluindo orgânicos, sem glúten, vegano, ceto, flexitário e reducetário. Esses novos canais de distribuição digital não dependem de concessões públicas e permitem que as marcas independentes levem sua mensagem diretamente aos clientes, há muito mal atendidos por grandes empresas de alimentos focadas no mercado de massa. Esses clientes adotam marcas que refletem seus próprios valores.

O segundo é o surgimento de um consumidor mais consciente, preocupado com a saúde, com as mudanças climáticas, com o meio ambiente e com o bem-estar dos animais. Particularmente entre a geração do milênio, a geração Z e os pais. Prevemos que muitos consumidores mudem para produtos alimentares sem animais se esses produtos começarem a equivaler ou superar as suas alternativas baseadas em animais em áreas-chave como custo, sabor, funcionalidade, conveniência e saúde. Terceiro, o surgimento de novas tecnologias, como edição de genes, proteínas recombinantes e inteligência artificial, além de grandes avanços na engenharia de tecidos, sequenciamento de DNA e espectrometria de massa. Agora, as empresas de alimentos não só podem criar novos produtos como nunca antes, como essas novas tecnologias podem ser protegidas com propriedade intelectual, o que, em última análise, torna essas oportunidades favoráveis ​​ao risco. Quarto, é o surgimento recente de um pequeno grupo de empreendedores apaixonados e motivados por missões que desejam efetuar mudanças em nosso sistema alimentar. Eles reconhecem que, para atingir seus objetivos, precisam criar produtos com um sabor tão bom quanto o dos derivados de animais; produtos que até um carnívoro adoraria.

É importante ressaltar que muitos desses pioneiros não optaram por se tornar meras empresas de ingredientes protéicos. Em vez disso, eles escolheram ser empresas voltadas para o consumidor que podiam controlar sua narrativa e levar sua mensagem diretamente ao mercado. Com o conhecimento de relações públicas e a ajuda das mídias sociais, um único artigo do Wall Street Journal poderia lançar dezenas de postagens no blog e fazer a internet vibrar. Esse sucesso inicial atraiu subsequentemente toda uma nova geração de empreendedores e capitalistas de risco que podem executar mais rapidamente esses manuais de sucesso. Este é o começo da segunda onda. A disrupção pode acontecer rapidamente. Em 2008, o CEO da Blockbuster declarou que “a Netflix nem estava no radar” em termos de concorrência. Dezoito meses depois, declarou falência. O paradoxo da perturbação é o proverbial sapo em água fervente; não acontece muita coisa de um momento para o outro. Você se adapta ao novo ambiente sem perceber que está selando seu destino por não reagir. Uma vez que as empresas alternativas de proteína obtenham o sabor, a textura e o custo corretos, com que rapidez eles precisam escalar para ver uma virada completa no mercado? Vamos responder isso usando a empresa de carnes de origem vegetal Impossible Foods como exemplo e começar com a suposição de que eles podem migrar para produtos alternativos de carne de porco, aves e peixes.

Estão surgindo tecnologias que estão prontas para capturar grandes porções do mercado tradicional da agropecuária, não porque estão sendo forçadas ao mercado, mas porque os consumidores estão mudando. Para fornecer à população mundial carne alternativa nos níveis atuais de consumo de carne animal (42,6 quilos/pessoa), a Impossible Foods precisaria alcançar uma produção anual global de 317 bilhões de quilos. Hoje, eles teriam uma capacidade de produção anual de apenas 11 milhões de quilos a partir de uma única instalação em Oakland; apenas 0,003% do seu mercado endereçável total. Eles nem estão fazendo um estrago. Mas e se eles pudessem dobrar sua capacidade de produção a cada ano? Em apenas 15 anos e com 30.000 unidades de produção, eles poderiam atender à demanda global de carne. Assumindo um custo de capital de US$ 50 milhões/planta, isso elevaria o Capex total a US$ 1,5 trilhão. Embora tenhamos conhecimento de instalações que produzem 3,6 milhões de quilos mensais com Capex semelhante, isso deve servir como uma marca d’água alta. Como verificação de sanidade, a Samsung gastou US$ 41 bilhões em Capex em 2017 e 2018 [2], embora os desafios de Capex e de expansão aumentem a probabilidade de que uma empresa possa ficar no mercado, o tamanho da oportunidade sugere que pode haver dezenas de bilhões de dólares em todo o mundo. Mas e as entradas? Dado que 1 quilo de soja possui cerca de 35% a mais de proteína do que a carne bovina, assumiremos de forma conservadora que cada quilo de soja – ou outra planta equivalente rica em proteínas – poderia produzir um quilo de carne à base de plantas com teor de proteína equivalente. Na produção média atual de 56 sacas/hectare, isso exigiria 95 milhões de hectares de terras agrícolas para produzir 317 bilhões de quilos de plantas ricas em proteínas. Isso já poderia ser alcançado com a área cultivada atualmente apenas com a produção global de soja. No entanto, se esses produtos se tornarem melhores e mais baratos, precisaremos levar em conta o rápido aumento subsequente no consumo per capita global. Revisando nosso cálculo acima, podemos perguntar o que seria necessário para abastecer o mundo com níveis de consumo de 100 quilos/ano nos EUA? Acontece que precisamos de apenas dois anos de produção anual dobrada para atender a essa demanda adicional e 222 milhões de hectares equivalentes em soja. Para colocar isso em contexto, isso exigiria cerca de um terço da terra arável do mundo, que é a quantidade atualmente usada para cultivar alimentos para animais [3].

Aqui tem dragões

Independentemente de você apoiar ou não a produção animal, existem grandes desafios de aumento de escala para atender às demandas de proteínas de novos 2,5 bilhões de consumidores até 2050. Isso exigirá novas ideias, que não sejam confinamento animal de maior densidade, desmatamento e exploração adicional de nossos oceanos. Nossa tese é a de que estão surgindo novas tecnologias prontas para capturar grandes porções do mercado tradicional de produção animal e promover peças do quebra-cabeça das proteínas. E isso não acontece porque essas tecnologias são forçadas no mercado, mas porque os consumidores estão mudando. Ainda assim, há muitas perguntas que precisam ser respondidas sobre escalabilidade, saúde, nutrição, preço, regulamentos e, é claro, aceitação do público. E, apesar do tamanho da oportunidade, o investimento nesse setor traz riscos e desafios significativos.

Saúde: muitos consumidores estão cada vez mais cautelosos com alimentos processados, mas o fato de ser baseado em vegetais não significa necessariamente que é mais saudável. A margarina foi inventada em 1869, na França, como um substituto da manteiga feito com gordura de carne bovina para as Forças Armadas e a classe baixa. A escassez de gordura bovina, combinada com os avanços na hidrogenação de materiais vegetais, levou à produção de margarina pura à base de plantas até o final da Segunda Guerra Mundial [4]. No seu auge, a margarina capturou quase 75% do mercado de manteiga, mas, com crescentes preocupações com a saúde relacionadas às gorduras trans, cedeu seu domínio no mercado e hoje detém cerca de 40% de participação [5]. Como alimentos altamente processados, os produtos à base de plantas terão de colocar um foco principal na saúde, além de sabor e custo, para substituir a carne ou competir com a agricultura celular. Além disso, a agricultura celular e os produtos à base de animais podem ter outros fatores que contribuem para a nutrição que os produtos à base de plantas precisam enfrentar. Ambiente: os produtos à base de plantas também terão problemas para escapar dos problemas e críticas da agricultura convencional, que incluem monocultura, uso de químicos e fertilizantes e esgotamento do solo. E, se esses produtos exigirem ingredientes como óleo de palma, os críticos apontarão prontamente a hipocrisia, dado o histórico da indústria em questões de direitos humanos e sustentabilidade. Se as startups optarem por uma posição moral elevada, elas também serão cobradas em um padrão mais alto. Custo: startups baseadas em fermentação, como Perfect Day, Clara Foods e New Culture, que fabricam micróbios geneticamente modificados que expressam proteínas animais, também terão seus desafios. Essas técnicas foram usadas com sucesso na indústria de biofarma, mas tendem a ser proteínas de valor extremamente alto e resta saber se essas empresas podem produzir suas proteínas economicamente e em escala para competir com os ingredientes das commodities.

Escala: a agricultura celular, que pode ser o Santo Graal, também tem muitos desafios. Nomes bem conhecidos no espaço em diferentes categorias incluem Memphis Meats (carne), Finless Foods (peixe), SuperMeat (frango) e Shiok Meats (Camarão). Alguns anos atrás, os críticos apontaram que a agricultura celular dependia do sangue do feto de bezerros (soro fetal bovino), mas isso em geral é coisa do passado e várias empresas de biotecnologia estão oferecendo soros à base de plantas. No entanto, o meio de cultura de células ainda custa cerca de US$ 500/l e hoje você precisa de 10 a 40 litros de meio de crescimento para produzir apenas 1 kg de carne. Esses custos precisarão diminuir significativamente para competir com produtos à base de carne convencionais e até com alternativas à base de plantas. Mas os custos estão diminuindo rapidamente e vimos empresas reivindicando custos tão baixos quanto US$ 40/l, além do uso de tecnologias de diálise para reciclar seus insumos. De fato, o que mais nos impressiona no setor de agricultura celular é a rapidez com que ele está se movendo. Capex (investimento em bens de capital): para ter escala a indústria de agricultura celular também terá que apresentar tecnologias de biorreatores mais robustas que os equipamentos de fermentação para uso alimentício, mas que são muito menos dispendiosas do que os biorreatores de uso farmacêutico. As lições da tecnologia limpa nos lembram que o Capex pode matar as empresas que produzem produtos básicos. No entanto, as primeiras versões desses produtos provavelmente não serão produtos de carne complexos. Em vez disso, provavelmente serão ingredientes de alto valor que melhoram o sabor e a textura dos produtos à base de plantas, mesmo em pequenas quantidades.

Aceitação do consumidor: mas o teste final para a agricultura celular será a aceitação do cliente. Para obter o sabor e a textura adequados, as startups podem precisar incorporar componentes adicionais, como gorduras, mioglobina e vasculatura, tornando o processo mais complexo. Mesmo assim, o pensamento de comer carne cultivada pode ser desanimador para muitos consumidores e será um desafio criar um produto que possa competir com um bife de costela com osso. Ainda assim, parece haver muitas oportunidades em ingredientes alimentares e produtos processados, como bolinhos de massa, almôndegas, cachorros-quentes e hambúrgueres híbridos de plantas/células. Pode não ser a carne que nossos pais comerão, mas sem antibióticos, produtos químicos ou objeções éticas, pode ser a carne que nossos filhos comerão. Social: e não vamos esquecer os agricultores nesta equação. Muitas famílias de agricultores estão orgulhosamente operando há seis ou mais gerações. Os agricultores de grãos podem ver um boom bem-vindo das proteínas vegetais e baseadas em agricultura celular, especialmente se isso exigir maior qualidade – menos commodities -, mas os produtores cujo sustento depende da criação de animais se sentirão naturalmente ameaçados. Um exemplo dessa reação está no Missouri, que recentemente se tornou o primeiro estado americano a proibir o uso da palavra “carne” para se referir a qualquer coisa que não seja carne de animal [6]. No entanto, como as alternativas de proteína provavelmente competirão com a carne comoditizada, ainda deve haver um mercado duradouro para os produtores focados na produção de carne de alta qualidade e mais sustentável.

Concorrência: na frente dos negócios, as startups enfrentarão uma concorrência feroz dos operadores históricos. Na frente de carnes à base de plantas, a Tyson Foods (maior indústria americana de proteína animal) anunciou recentemente sua própria marca de carnes à base de plantas, a Raised & Rooted, a Nestlé anunciou seu Incredible Burger, a Kellogg anunciou a Incogmeato, a Kroger (rede de supermercados dos EUA) anunciou a Simple Foods. Como se costuma dizer, se você não pode vencê-los, junte-se a eles. E você pode apostar que empresas como essas estão dispostas a gastar bilhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento para defender bilhões de dólares em participação de mercado. As empresas de proteína à base de plantas precisarão encontrar estratégias defensáveis ​​além da marca para permanecerem duráveis, mas estão em desvantagem porque a Big Food é incapaz de assumir os mesmos riscos das startups mais jovens e mais ágeis, com muito menos a perder.

Fundo Alt Protein da AgFunder

O mundo está prestes a mudar muito rapidamente. Como capitalistas de risco, nosso trabalho é identificar tecnologias que serão adotadas pelo futuro e depois apostar nesse futuro. Essas apostas são informadas pelas demandas dos consumidores que impulsionam os mercados e os gatilhos da tecnologia que tornam repentinamente possível o impossível. Em todo o mundo, empreendedores estão trabalhando para criar novas tecnologias para substituir a necessidade de criação de animais. São doutores e cientistas de alimentos dos principais laboratórios de pesquisa em todo o mundo, que estão trazendo o que há de mais recente em ciência e engenharia para lidar com essa questão. Com dois doutores em biologia de Yale e Stanford em nossa equipe de investimentos, esse é um idioma que também sabemos falar. A paixão e o talento que vemos nesse setor são inigualáveis ​​e fazem com que a inovação nesse espaço se mova muito mais rapidamente. Com o sentimento de missão, fundadores desses negócios estão tentando fazer uma grande diferença no universo, e fomos inspirados a nos juntar a eles em sua jornada.

Acreditamos que essa é uma causa importante e que esse é um daqueles raros momentos da história em que surge uma tecnologia que pode genuinamente tornar o mundo um lugar melhor. No curto prazo, reconhecemos que as novas tecnologias geralmente levam a novos problemas. A invenção do carro veio com expansão urbana, poluição e mais de 1,25 milhão de mortes por ano. Mas os carros também estão ficando mais limpos, seguros e eficientes, e poucos de nós estão dispostos a voltar a andar de carruagem. A disrupção não ocorre porque uma tecnologia é aplicada a consumidores indesejados. Em vez disso, ela ocorre quando repentinamente preenche um vácuo na demanda do consumidor. A flecha do progresso tecnológico sempre aponta para um futuro melhor e confiamos na sabedoria dos mercados para nos levar até lá.

Referências

[1] Dr. Carsten Gerhardt, Gerrit Suhlmann, Fabio Ziemßen, Dave Donnan, Dr. Mirko Warschun, and Dr. Hans-Jochen Kühnle, How Will Cultured Meat and Meat Alternatives Disrupt the Agricultural and Food Industry? AT Kearney (URL)

[2] David Manners, Samsung Spends $46.8 Billion On Capex In 2017 and 2018, ElectronicsWeekly.com, 2018 (URL)

[3] FAO (URL)

[4] Margarine, Wikipedia (URL)

[5] David McCowan, I can believe it’s not butter: The rise and fall of margarine, The Takeout, 2018 (URL)

[6] Zlati Meyer, Missouri becomes first state to regulate use of the word ‘meat’, USA Today, 2018 (URL)

 

TAGS: AgFunder, AgTech, FoodTech, Proteínas alternativas, Rob Leclerc