OLHA O COQUEIRO AÍ…

Coluna A REVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS - Por Marco Ripoli


02.08.19

Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D., é Engenheiro Agrônomo e Mestre em Máquinas Agrícolas pela ESALQ-USP e Doutor em Energia na Agricultura pela UNESP, executivo, disruptor, multiempreendedor, inovador e mentor. Proprietário da BIOENERGY Consultoria e investidor em empresas.  Acesse www.marcoripoli.com

Cada vez mais o consumo de produtos naturais vem aumentando no mundo, onde consumidores vem buscando alimentos com boa qualidade nutricional.  Um exemplo disso é a água de coco, que vem se mostrando mais em evidência nos mercados de todo o mundo.  Na última década registrou-se crescimento interessante que estimula este setor.

O Brasil é o segundo maior produtor de cocos do mundo, atrás apenas da Indonésia, e como um dos maiores produtores de coco verde tem oportunidade de contribuir para fornecer boa parte da demanda que o mundo consome e ajudar a fortalecer a economia brasileira.  Entretanto, um dos entraves para melhor atender esse mercado é a falta de máquinas e equipamentos para a colheita, devido à altura em que são produzidos. É preciso desenvolver um sistema mecanizado para a colheita e buscar viabilidade de mecanização.

Cada coqueiro apresenta uma formação geométrica diferente do outro o que dificulta uma solução que atenda a cultura e por isso acredita-se que, devido este ponto, ainda não houve o nível de atenção merecido de o desenvolvimento de novas soluções

Uma solução já existente, porém ainda em pequena escala, é o uso de variedades de coqueiros geneticamente modificadas que produzem igual ou até mais volume do que as tradicionais, mas com um grande diferencial – são plantas onde o coco pode ser colhido a altura onde o trabalhador rural não precise nem utilizar uma escada.

Leia também: Corrida pelo ouro branco

Os derivados são matérias-primas de grande relevância na indústria, contudo vão muito além da indústria de alimentos.  O coqueiro oferece múltiplas utilizações e pode-se aproveitar praticamente toda sua planta. Em muitas regiões é também conhecido como a Árvore da Vida.  As folhas podem ser usadas para a cobertura de casas nativas, produção de tapetes, painéis, chapéu, cestos. Do tronco pode-se retirar a madeira para uso em marcenarias, construção de casas, pontes, currais. Da raiz é elaborado, entre os nativos, um tipo de dentifrício e antisséptico.  Dos brotos tenros podemos fazer saladas e conservas. Do coqueiro, o coco é a parte mais bem aproveitada, tanto em qualidade como em quantidade.

Outros produtos que podemos obter dos coqueiros:

  • Água de coco – Uma das bebidas mais puras, alimentícia e completa da natureza.
  • Leite de coco e coco ralado – Retirado da amêndoa fresca e usados na indústria alimentícia e culinária.
  • Óleo de coco – Óleo mais procurados para panificação, confeitaria, indústria de velas, germicidas e inseticidas.
  • Copra – Produto de maior valor que o coco fornece cuja principal finalidade é a extração do óleo do coco.
  • Torta – Resultado da extração do óleo de coco, muito usada em rações para animais.
  • Casca do caroço – Cuias, conchas, farinheiras, botões, ornamentos.
  • Mesocarpo – Fibra para cordas, tapetes, cabos, redes e escovas.
  • Turfa do coco – Serragem do coco, usada para acolchoamento agrícola.

O Agro nao para!

Clique aqui para conferir todas as #ColunasPlant.

TAGS: Coco