Construção a partir das diferenças

Coluna AGROAMBIENTAL - Com apoio do GTPS


12.12.18

Por OCIMAR VILLELA

Ocimar Villela, ex-presidente do GTPS, é Diretor de Agronegócio na Agropecuária Santa Otilia LTDA.

Ter sido o primeiro presidente do GTPS – Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável foi uma experiência fascinante e inesquecível, porque pecuária sempre foi minha paixão. Sou filho de pequenos agricultores e pecuaristas, sempre que podia estava na fazenda de meus avós, tios ou de amigos. Após 33 anos de formado, ainda continuo aprendendo diariamente.

Já havíamos participado da construção da RTRS – Mesa Redonda da Soja Responsável –, como representante do Grupo Amaggi. Foi uma experiência incrível, a não ser pelo fato de a soja ser responsável em vez de sustentável. O modelo das mesas redondas para discutir questões, trocar ideias, cooperar, sempre me motivou. Acredito que esse é o melhor caminho para construir a partir das diferenças, uma vez que nessas mesas todos estamos na mesma posição, temos a mesma importância, e isto aprendíamos desde criança nas brincadeiras de roda e nos trabalhos em equipe.

Depois de 10 anos observando a distância o GTPS, não posso dizer muito sobre como andam os diálogos e os projetos, mas logicamente posso acessar o site e ver os programas que estão disponíveis. Confesso que acho que fazer diagnóstico é uma ferramenta muito importante, mas deve ser rápida e pronto. Para as fazendas já adequadas e sustentáveis: qual o benefício? – essa é uma pergunta natural do produtor.

No Brasil não necessitamos ficar discutindo pecuária sustentável e, na maioria das vezes, com foco nas questões ambientas.  Nenhum país do mundo produtor de carne é mais sustentável que o Brasil nesta questão.

Quando teremos uma ferramenta de gestão bem bacana, de fácil acesso e que ensinará o produtor a identificar os problemas realmente importantes, ajudando a elevar os resultados por hectare? Nunca vamos conseguir a tão falada sustentabilidade na propriedade pecuária se o produtor continuar no vermelho.

O tamanho médio da grande maioria das propriedades rurais no Brasil é pequeno, e é ai que devemos investir pesadamente: gestão na pequena e média propriedade, afinal esta é a base do GTPS. Temos no mercado ferramentas à disposição para iniciar este processo, temos que ser rápidos e juntar todos os esforços para apresentá-las ao produtor. Este é o momento de realmente cooperar, sem cooperação não há evolução.

Trabalhar com pecuária é incrível. Produzir o alimento de maior valor biológico, onde uma pequena porção pode saciar rapidamente a fome das pessoas é realmente de um poder enorme. Por esse motivo, continuo acreditando que o GTPS encontrará caminhos para realmente ajudar os pecuaristas de hoje serem melhores amanhã.

TAGS: GTPS, Ocimar Villela, Pecuária Sustentável