American Barbecue: Anotem esse nome

Coluna HISTÓRIAS DA BOA CARNE - Por Eduardo Krisztán Pedroso


29.11.18

Eduardo Krisztán Pedroso é zootecnista pela FZEA-USP; Especialista em gestão da qualidade e segurança dos alimentos pela FEA/UNICAMP; MBA em Gestão Comercial pela FGV; Diretor Executivo de Originação da JBS e há mais de 25 anos, estudioso, churrasqueiro e amante da boa carne. Instagram: @eduardokpedroso

Tem pessoas que chegam na vida da gente não por acaso e rapidamente surge uma empatia equivalente a anos de convivência. Valores pessoais, respeito pela família e amor pelo agronegócio. Ingredientes perfeitos para celebração da boa carne em suas diversas modalidades de churrasco.

O primeiro contato com o Leandro Baldissera, nove vezes campeão de rodeio da modalidade sela americana em Barretos, foi na casa do cantor Sorocaba, meses atrás. Ao redor da churrasqueira, boa e divertida conversa. Causos madrugada a dentro. Experiências internacionais preciosas de interação globalizada com o homem do campo, suas raízes e diversidades culturais, proporcionada pela acolhida do mundo do cavalo, uma paixão.

Determinado dia, recebi um áudio do Baldissera dizendo que queria me apresentar uns amigos de Itapetininga, Rodrigo e Ricardo, licenciados de uma empresa americana com mais de 60 anos de tradição na fabricação de churrasqueiras de defumação. Aquilo ficou na minha cabeça.

Bruno Panhoca

Já tinha apreciado algumas vezes o Brisket (ponta de peito bovina defumada) preparada pelo Bruno Panhoca em alguns eventos e pela dupla Joana e Aline no Duda15 – de lamber os dedos -, mas confesso que ainda não havia tido o estalo de me aventurar nessa modalidade de churrasco.

Meses se passaram. Tomei coragem, liguei e pedi o contato que ele havia mencionado. Comecei a estudar o assunto. Por que não me permitir um presente de Natal? Encomendei o brinquedo novo: um Pit smoker de 20”com capacidade para até 40 kg. Vermelho Ferrari com assinatura personalizada.

A entrega foi na semana passada. Recebi amigos e familiares para o primeiro test drive. Nota 7,5 em minha autocrítica. Nada mal para a primeira vez. Mas a certeza de ainda ter muito a aprender para plenodomínio das potencialidades do equipamento.

Ontem à tarde, convenci minha esposa e filhas e fomos lá para Itapetininga participar de um Festival do American Barbecue. Melhores Pit Masters do país reunidos. Comida rustica, carne suculenta e extremamente macia.

Os melhores cortes para esse tipo de churrasco são os cortes da costela e dianteiro. Cortes ricos em colágeno que após horas de cocção lenta, ficam surpreendentemente sensacionais. Além das inúmeras possibilidades de outras proteínas como cordeiro, aves ou suínos.

Referência importante: a picanha corresponde a 1% do peso da carcaça de um boi. O dianteiro e a costela somados, 52%. A combinação brisket, costela e smoked burger pode ser uma forma inteligente e revolucionária de democratizar o acesso aos amantes da boa carne de todas as classes sociais aqui no Brasil, assim como é tradição no oeste americano.

Leia também: Paçoca suína no pilão caipira

Para brindar esse momento, várias IPA’s e HighBall, delicioso drinque preparado com uma parte de Bourbon, duas partes de tônica, meia lua de limão e muito gelo. Família dos amantes da boa carne ao redor do fogo, conexões diferenciadas e a celebração de novas amizades. Em breve revelarei mais alguns dos segredos dessa incrível modalidade de churrasco.

Clique aqui para conferir todas as #ColunasPlant.

TAGS: American Barbecue, Boa Carne