O envolvimento da cadeia na pecuária sustentável

Coluna AGROAMBIENTAL - Em parceria com o GTPS


28.11.18

Por Ruy Fachini Filho

Ruy Fachini Filho é ex-presidente do GTPS e presidente do Sindicato Rural de Campo Grande

Existem três temas importantes para melhoria contínua: inovação, tecnologia e pesquisa. Sem eles, não conseguimos desenvolver uma atividade “sustentável”. Nos últimos anos, a pressão da agricultura pelo aumento da área de produção, a impossibilidade de abertura de novas áreas e a demanda crescente por produtos de origem animal têm pressionado a pecuária a buscar uma maior eficiência. E o uso de tecnologia é a chave para isso. Investir em conhecimento (pesquisa) é primordial para o bom uso de técnicas, por vezes inovadoras, que permitam tornar a produção mais eficiente.

Nesse contexto, uma das características do GTPS que eu mais me orgulho é de priorizar o debate inclusivo. Ao trazer todas as categorias para a mesa e considerar os pequenos produtores no processo, os direcionamentos são aplicáveis à toda a cadeia de valor da pecuária brasileira.

Por meio da atuação do GTPS, provamos que é possível sim associar a atividade pecuária com preservação e o bom uso dos recursos naturais através de muita inovação, tecnologia e pesquisa. Hoje em dia, já nos deparamos com ótimos exemplos de uma pecuária mais eficiente, incorporando tecnologias e boas práticas na pastagem, no melhoramento genético, manejo, sanidade e bem estar animal.

Leia também: Melhoria Contínua nos Sistema de Inclusão

Durante muito tempo, especialistas membros do Grupo se dedicaram ao alinhamento entre todas as categorias para que pecuária sustentável não fosse apenas um conceito, mas que tivesse uma definição mais prática, mensurável e aplicável à todos as etapas de produção– do pasto ao varejo.

O grande produto desse trabalho colaborativo é o Guia de Indicadores da Pecuária Sustentável (GIPS), que realiza um diagnóstico da atividade e sua evolução no atendimento de cada um dos indicadores, por meio de uma autoavaliação voluntária.

Assim como o modelo de governança do GTPS, o GIPS representa a evolução do diálogo entre as categorias e é utilizado de exemplo por outras mesas no mundo inteiro. É preciso continuar trabalhando em conjunto para reconhecimento global da nossa evolução no setor, garantindo a representatividade brasileira nos grandes fóruns mundiais, com uma agenda proativa de valorização aos ativos ambientais e reconhecimento da nossa liderança global em pecuária sustentável.

Clique aqui para conferir todas as #ColunasPlant.

TAGS: GTPS, Pecuária Sustentável