AgrAbility: Cultivando uma Agricultura Acessível

A questão da deficiência na agricultura afeta cerca de 200 milhões de pessoas

“Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê”

Monteiro Lobato


Edição 6 - 16.10.17

Paul Jones

Por Paul Jones

Diretor do Nacional AgrAbility Project (Estados Unidos)

Estima-se que, aproximadamente, 40% da população mundial – cerca de 1,3 bilhão de pessoas – esteja envolvida em trabalhos relacionados à agricultura, fazendo dessa área a maior fonte de emprego do mundo.[1] Ao mesmo tempo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) relata que cerca de 15% da população mundial tem algum tipo de deficiência, com 2% a 4% tendo dificuldades funcionais significativas.[2] Com base nessas estatísticas, a questão da deficiência na agricultura é claramente significativa, afetando potencialmente quase 200 milhões de trabalhadores. Entretanto, recursos de auxílio a trabalhadores agrícolas portadores de deficiências são limitados, especialmente em países em desenvolvimento.

Nos Estados Unidos, um programa chamado AgrAbility foca na assistência a esses trabalhadores. Enquanto o ponto central do programa está na ajuda aos norte-americanos, membros da equipe no Projeto Nacional AgrAbility realizaram incursões significativas na partilha de recursos e estratégias com a comunidade internacional.

FONTES DE DEFICIÊNCIA NA AGRICULTURA

Ambientes agrícolas são inerentemente perigosos, com potencial expressivo para causar lesões incapacitantes ou fatais. Em fazendas mecanizadas, há potencial de amputação e outras lesões resultantes de esmagamentos, prisões ou enredamentos no maquinário. A pecuária também impõe perigos aos trabalhadores, através de incidentes relacionados a pisoteio, coice ou prisão. Além disso, muitos sofrem lesões fora da fazenda, decorrentes de acidentes com veículos ou outros meios, e mais milhares possuem doenças incapacitantes, como esclerose múltipla, doença cardíaca ou artrite. Com a idade média dos agricultores norte-americanos em torno de 57 anos[3], problemas como deficiências auditivas e visuais são significativos.Enquanto estatísticas detalhadas sobre deficiência na agricultura mundial não são disponibilizadas, especula-se que tendências semelhantes existem em outros países, embora as fontes específicas de deficiência provavelmente variem com base na natureza da agricultura e do ambiente sociopolítico em cada região. Áreas afetadas por guerras civis, por exemplo, podem ter maiores porcentagens de amputados em virtude de minas terrestres plantadas em terrenos agrícolas.

É importante observar que deficiência e agricultura comportam conceitos amplos. Nem todas as deficiências são “severas” ou mesmo visíveis. Enquanto o AgrAbility aborda problemas relacionados a deficiências como lesões na coluna vertebral e amputações, algumas das deficiências mais prevalentes – ou “limitações funcionais” – vistas nos clientes do programa têm como exemplo a artrite ou problemas nas costas. Da mesma forma, há uma variedade ampla de empreendimentos que se enquadram na definição de agricultura. Além das operações agrícolas tradicionais, como plantio em linha, laticínios e produção pecuária, os membros da equipe do AgrAbility estão abordando, cada vez mais, problemas relacionados a áreas como produção de vegetais em pequena escala, produção para mercados agrícolas, hidroponia, aquaponia, agricultura urbana e apicultura.

HISTÓRIA E ESTRUTURA DO AGRABILITY

Para ajudar a facilitar o maior acesso à agricultura para portadores de deficiências, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) implantou o Programa AgrAbility através do Farm Bill (projeto de lei que regula a política agrícola do país) de 1990, com projetos financiados com início real em 1991.  O programa foi moldado em programas preexistentes em estados como Indiana, Vermont e Iowa. A supervisão foi atribuída ao Serviço de Extensão Cooperativa do USDA, que administra programas através de universidades beneficiadas por doações de terra de cada estado.[4]

A missão do AgrAbility é melhorar a qualidade de vida para trabalhadores agrícolas através de três principais áreas prioritárias:

  • Educar clientes e profissionais sobre questões de deficiência na agricultura através de treinamentos pessoais, publicações impressas e mídias eletrônicas.
  • Conectar-se com pessoas e organizações com ideias semelhantes para alavancar recursos humanos e financeiros para o benefício dos clientes do AgrAbility.
  • Prestar serviços diretos, como avaliações presenciais em fazendas ou consultas individualizadas por telefone ou internet.

Devido às limitações de financiamento, somente 20 estados norte-americanos são atualmente contemplados por projetos financiados do AgrAbility. O Projeto Nacional AgrAbility dá apoio a esses projetos estaduais através de diversos meios e também presta serviços limitados a trabalhadores em estados que não possuem o programa.

SERVIÇOS E RECURSOS

Uma vez que o contato é feito com um trabalhador que necessite dos serviços, um membro da equipe do AgrAbility visita a fazenda ou rancho para avaliar as barreiras para conclusão das tarefas. Algumas das necessidades comumente identificadas são:

  • Veículos utilitários para atravessar terrenos acidentados para trabalhadores com artrite, amputação ou problemas de força/resistência.
  • Elevadores mecânicos para levantar operadores de maquinário com lesões na coluna vertebral ou outras deficiências de mobilidade até as cabines de seus equipamentos.
  • Modificações às instalações da casa ou fazenda a fim de acomodar deficiências de mobilidade.

Os projetos AgrAbility não têm permissão de prover aos clientes financiamento direto ou equipamentos através de fundos do AgrAbility. No entanto, membros da equipe frequentemente trabalham com fontes de financiamento estaduais e federais para ajudar clientes a obter os equipamentos e as modificações necessários. Uma vez que a tecnologia de assistência é claramente uma porta para permitir que trabalhadores agrícolas continuem em suas vocações, o Projeto Nacional AgrAbility desenvolveu o The Toolbox: Ferramentas, Equipamentos e Construções Agrícolas para Agricultores Portadores de Deficiências Físicas (disponível em www.agrability.org/toolbox). Esse banco de dados contém aproximadamente 1,3 mil produtos que podem ser utilizados pelos trabalhadores agrícolas portadores de deficiência envolvidos em muitos tipos de operação. Além disso, o site www.agrability.org contém outras publicações para tornar os locais de trabalhos agrícolas mais inclusivos, como relatórios técnicos sobre como tornar alojamentos de fazenda acessíveis ou trabalhar com deficiências específicas, como amputações, lesões na coluna vertebral ou deficiências visuais. Atualmente, os esforços estão em andamento para expandir recursos para trabalhadores em países em desenvolvimento.

ESTATÍSTICAS E HISTÓRIAS DE SUCESSO

Anualmente, os membros da equipe do AgrAbility prestam serviços diretos e presenciais a aproximadamente 1,3 mil trabalhadores agrícolas. Além disso, outros milhares recebem assistências menos intensivas, como consultas por telefone, recomendações para outras organizações e comparecimento em workshops. Um estudo de 2006 publicado no Journal of Agricultural Safety and Health[5] indicou que 88% dos clientes do AgrAbility continuaram a se envolver com agricultura após o início de sua deficiência. Recentemente, o Projeto Nacional AgrAbility disponibilizou as descobertas de um estudo de dez anos para comparar o impacto do programa em clientes com um grupo de comparação sem tratamento. Utilizando a pesquisa de Qualidade de Vida McGill (QOL) e um instrumento de Vida e Trabalho Independentes (ILW) recentemente desenvolvido, dados são coletados dos clientes AgrAbility e de agricultores portadores de deficiências que não receberam serviços. Os resultados: em média, os 196 participantes do grupo de clientes do AgrAbility reportaram: (1) maiores níveis do QOL em 28%, enquanto o nível de QOL dos 97 no grupo de comparação sem tratamento caiu 4%; e (2) maiores níveis de ILW em 30%, enquanto o grupo de comparação sem tratamento aumentou em 8%.[6]

Alguns exemplos de sucesso de clientes incluem:

  • Um agricultor de Minnesota prendeu seu pé esquerdo em uma broca de grãos, resultando em uma amputação abaixo do joelho. O AgrAbility trabalhou com a agência estadual de reabilitação vocacional para conseguir um veículo utilitário e outras modificações para o agricultor, além de estabelecerem uma conexão entre o cliente e uma rede de suporte de outros agricultores portadores de deficiências para prestar assistência emocional e orientações práticas.
  • Um agricultor de Oklahoma sofria de osteoartrite severa nos quadris pelos anos de trabalho com gado montado em um cavalo e pelo cumprimento de outras tarefas desafiadoras. O AgrAbility trabalhou com a agência estadual de reabilitação vocacional para ajudá-lo a conseguir próteses de quadril e tecnologia de assistência necessária.
  • Uma trabalhadora fabril de Indiana desenvolveu artrite e lúpus e não conseguia continuar em seu trabalho. Ela trabalhou com o AgrAbility e a agência estadual de reabilitação vocacional para começar uma empresa de estufas/viveiros. [7]

Por vezes, trabalhadores agrícolas precisam se ajustar ao tipo de empreendimento que operam devido à aquisição de uma deficiência. Por exemplo, um agricultor de Indiana mudou da suinocultura para o cultivo de morangos, como resultado de uma lesão na coluna vertebral.

IMPACTO INTERNACIONAL

Membros da equipe foram convidados a viajar para países como Canadá, Coreia do Sul, Tailândia, Itália, Inglaterra, Ucrânia, Suécia, China, Áustria e Austrália para compartilhar informações sobre como tornar os locais de trabalho agrícola mais acessíveis. Além disso, profissionais de países como Brasil, Canadá e Suécia participaram do treinamento patrocinado pelo AgrAbility nos Estados Unidos. O site www.agrability.org também recebe uma quantidade significativa de tráfego de fora dos Estados Unidos.

CONCLUSÃO

Mesmo diante de deficiências severas, muitos trabalhadores agrícolas conseguem continuar em suas vocações, se tiverem alguns recursos cruciais. Nos Estados Unidos, o AgrAbility desempenha um papel importante na assistência desses indivíduos através de informações sobre tecnologias e recursos disponíveis, avaliação de suas necessidades específicas, assistência na obtenção de financiamentos para equipamentos, e estímulo para vislumbrar o que é possível.

[1] http://www.momagri.org/UK/agriculture-s-key-figures/With-close-to-40-%25-of-the-global-workforce-agriculture-is-the-world-s-largest-provider-of-jobs-_1066.html

[2] http://www.who.int/disabilities/world_report/2011/report/en/

[3] https://www.agcensus.usda.gov/Publications/2012/Online_Resources/Highlights/Farm_Demographics/#average_age

[4] Vide http://www.aplu.org/about-us/history-of-aplu/what-is-a-land-grant-university/index.html para mais informações sobre universidades beneficiadas por doação de terra dos Estados Unidos.

[5]  Meyer, R. H., & Fetsch, R. J. (2006). National AgrAbility Project impact on farmers and ranchers with disabilities [Impacto do Projeto Nacional AgrAbility em agricultores portadores de deficiência]. Journal of Agricultural Safety and Health, 12(4), 275-291.

[6] Fetsch, R. J., & National AgrAbility Project Evaluation Committee. (2017, May 25) [Comitê de Avaliação do Projeto Nacional AgrAbility. (2017, 25 de maio) ]. “What has AgrAbility achieved? What can we show for it?” Workshop presented at the National AgrAbility Project Advisory Team Meeting, Indianapolis, IN [“O que o AgrAbilty conquistou? O que podemos mostrar como resultado?” Workshop apresentado na Reunião da Equipe Consultiva do Projeto Nacional AgrAbility, Indianápolis, IN].

[7] Mais histórias de sucesso estão disponíveis no resumo do programa de 25 anos, AgrAbility, 1991-2016: 25 Years, 25 Stories [25 Anos, 25 Histórias], disponível em http://www.agrability.org/25years/.

TAGS: Acessibilidade, AgrAbility, Agricultura Acessível